Por Claudia Ideguchi
Jornalista

O nariz está inserido em um contexto de proporções faciais, o seu tamanho deve ser proporcional às dimensões do rosto e as partes nasais devem ser proporcionais ao tamanho desse nariz.

Além das relações de proporção e harmonia, devem ser levadas em conta as características raciais do paciente.

É importante salientar que não é possível construir um nariz exatamente do jeito que o paciente quer, pois cada pessoa tem uma limitação para que ao final o resultado fique natural.

O cirurgião plástico tem papel fundamental para que esse equilíbrio natural da face seja respeitado.

A visão estética do cirurgião está relacionada a 60% do resultado da rinoplastia, enquanto os outros 40% estão ligados a técnica em si.

Isso acontece porque se altera toda a estrutura do nariz, então cada modificação deve ser muito bem avaliada.

Além da experiência adquirida ao longo dos anos de atuação como cirurgião plástico, o médico utiliza alguns recursos de estudo realizados em outras áreas da ciência.

Um dele é a matemática.

Por volta do final do século 12, o matemático Leonardo Pisani, também chamado de Fibonacci, encontrou uma constante matemática que aparece em todas as estruturas da natureza desde animais até plantas e no DNA humano.

Todas as medidas têm uma ligação entre si e formam um equilíbrio estético. Essa constante representa a perfeição proporcional, chamada de proporção áurea, e foi usada pelos maiores gênios nas artes e arquitetura.

O médico especialista, que tem conhecimento dessa ferramenta matemática, consegue calcular as dimensões exatas do nariz, para que fique em total acordo com o resto do rosto do paciente.

O bom-senso e a sensibilidade do cirurgião também contam e muito para o resultado final satisfatório.

By | 2018-07-12T17:13:29+00:00 12/06/2017|Geral|0 Comments

Leave A Comment